[resenha] Eu, Robô

Título: Eu, Robô
Autor: Isaac Asimov
Editora: Ediouro
Páginas: 318
Skoob: Eu, Robô

"Olhe para vocês - ele disse finalmente - Eu não digo isso por desprezo, mas olhe para vocês! O material de que são feitos é macio e flácido desprovido de resistência e força. Dependente da energia produzida pela oxidação ineficiente e material orgânico, como aquele ali - ele apontou num gesto de desaprovação para o que restara do sanduíche de Donovan. - Periodicamente vocês mergulham em um estado de coma e a menor variação de temperatura, pressão do ar, umidade ou intensidade de radiação prejudica a sua eficiência. Vocês são improvisados."


Primeiro vamos esquecer o filme, ok? Apesar de ter gostado, o filme não é a história do livro.

Eu, Robô traz nove contos. O livro começa com a Dra. Susan Calvin, a brilhante Robôpsicóloga da U.S. Robôs e é ela que conta as histórias contidas no livro. Eu não vou entrar em detalhes das histórias por motivos de: spoilers não são legais. Mas vou contar algumas coisas pra vocês.
O primeiro conto, Robbie, fala sobre um robô babá e a menina que ele toma conta. A história é muito fofa e a relação de Robbie e Glória é uma coisa muito linda.
No segundo conto, Powell e Donovan (que testam os robôs em campo para a U.S. Robôs) estão em Mercúrio e o robô dá um defeito e coloca os dois em perigo. Essa história é angustiante. Amei. hahahha
O terceiro conto é sobre um Robô que não aceita que foi criado por humanos e se recusa a receber ordens de seres "inferiores". É genial! haha
O quinto conto é sobre um Robô que pode ler mentes e essa habilidade faz uma graaande confusão. É maravilhoso também. Todos são, na verdade. ^^
Agora que vocês já sabem um pouquinho sobre o que esperar, o quarto conto e os outros eu vou deixar pra vocês descobrirem sozinhos.
Todos os contos seguem as três leis da robótica criadas por Asimov e tudo o que acontece está de alguma forma ligado à elas. Para que não conhece, as leis da robótica são:

Primeira Lei da Robótica: Um robô não pode causa mal ou, através da inação, permitir que um ser humano seja ferido.

Segunda Lei da Robótica: Um robô deve obedecer às ordens dadas por seres humanos exceto se tais ordens entrarem em conflito com a Primeira Lei.

Terceira Lei da Robótica: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e Segunda Lei.

As três Leis da Robótica se tornaram a criação mais famosa de Asimov. Posteriormente, em um livro onde os robôs assumem a responsabilidade de governar os seres humanos, uma nova lei foi criada:


Lei Zero: Um robô não pode causar mal, ou por negligência, permitir que o mal aconteça à humanidade.

Sobre "Eu, Robô" talvez bastasse eu dizer que foi escrito por Isaac Asimov, porque a gente já sabe que pode esperar grandes histórias.
Caso vocês queiram saber mais sobre o autor, tem um texto aqui no blog. ^^

Comentários